Comissão Nacional Justiça e Paz

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Notícias

«Passar da indiferença à misericórdia, através de uma cultura de solidariedade»

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

O Padre José Manuel Pereira de Almeida, assistente da CNJP, responde ao jornal Correio de Coimbra numa entrevista que tem como pano de fundo a Mensagem para o Dia Mundial da Paz de 2016.

[entrevista em PDF]

Continuar...
 

«Quem é indiferente à paz?» -- entrevista a Pedro Vaz Patto

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

 

Medo dos Refugiados?

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Já os atentados de Paris, em novembro, para isso tinham contribuído. Mas foi sobretudo a série maciça de agressões de cariz sexual a mulheres na noite de passagem de ano, em Colónia e noutras cidades alemãs, a colocar em causa, em muitos setores da opinião pública, a política de abertura e acolhimento para com a atual vaga de refugiados na Europa. Em vez de suscitarem a solidariedade, estes parece que agora suscitam medo.

Continuar...
 

A Gruta, a Porta e a Misericórdia

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Jesus nasceu numa gruta porque a porta da hospedaria não se abriu para o acolher. A gruta não tinha portas e por isso os pastores e todos aqueles que foram a Belém para adorar o Menino não tiveram qualquer barreira. O que contemplamos em qualquer Presépio, especialmente após São Francisco o ter formalmente instituído, é o Deus feito Homem que vem, com toda a simplicidade e sem portas, ao nosso encontro.

Continuar...
 

Uma família igual às outras

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Passará quase despercebida a muitas pessoas (num momento em que outras são as questões que recebem enfoque na comunicação social) a aprovação da proposta de legalização da adoção conjunta por uniões do mesmo sexo. Uma questão, esta, que tem gerado ampla discussão por todo o lado e que se liga a opções antropológicas de grande alcance. E que os partidos proponentes assumem como “prioridade das prioridades”, a anteceder qualquer outra no início da presente legislatura. Vale a pena recordar os princípios que estão em jogo.

Continuar...