Comissão Nacional Justiça e Paz

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Notícias

Poliedro: reflexões dos membros da CNJP

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

A Comissão Nacional Justiça e Paz inicia hoje a publicação de artigos de opinião dos seus membros sobre questões de atualidade à luz dos critérios do Evangelho e da doutrina social da Igreja que orientam o trabalho desta Comissão. Procuramos, assim, estar atentos aos que se passa à nossa volta e fazer nossos os sofrimentos e as alegrias de quem está mais próximo ou mais longínquo.

Através da variedade destes contributos e das diferentes temáticas, perspetivas e sensibilidades, temos como ambição compor uma unidade segundo a imagem (várias vezes evocada pelo Papa Francisco) do Poliedro, onde a unidade harmónica do todo conserva a particularidade e originalidade de cada uma das partes.

 

 

«Porquê»: Graça Franco na Renascença

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Artigo de Graça Franco na Rádio Renascença: «Porquê?».

 

Opinião: «Nacionalismo de exclusão»

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Foi publicado no jornal "Público" o artigo «Nacionalismo de exclusão», do presidente da CNJP, Pedro Vaz Patto, sobre a iniciativa da rede Justiça e Paz Europa contra o racismo e a xenofobia na Europa.

 

Fórum Educação para o Desenvolvimento

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Foi recentemente publicado o documento de memória do I Fórum de Educação para o Desenvolvimento, realizado a 28 de outubro de 2014 sobre o tema «A importância do exercício da cidadania global».

[Memória do I Fórum de Educação para o Desenvolvimento]

 

Opinião: «Os que revivem hoje a Paixão de Jesus»

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

O jornal Voz da Verdade publicou no passado dia XX o artigo do presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz (CNJP), Pedro Vaz Patto, «Os que revivem hoje a Paixão de Jesus» sobre a perseguição a que estão sujeitos tantos cristãos:

Neste tempo litúrgico da Quaresma e da Páscoa, muitas circunstâncias chamam a nossa atenção para a situação de cristãos perseguidos, particularmente os da Síria e Iraque, mas também de outros países, como o Paquistão ou a Nigéria. Talvez sejam eles quem hoje mais intensamente revive a paixão de Jesus. São talvez eles os que hoje mais se identificam com o sofrimento de Jesus crucificado e abandonado.