Catequese de adolescentes, um desafio permanente

Aspeto dos participantes

Participaram sessenta catequistas de adolescentes no encontro que se realizou na Casa Diocesana de Albergaria-a-Velha, no dia 21 de janeiro, com o P.e Rui Alberto como formador. No período da manhã, o P.e Rui Alberto debruçou-se sobre a temática da adolescência, destacando tratar-se de um tempo de construção da identidade, a qual se vai formando numa tensão permanente entre exploração e compromisso. Este tempo, por sua vez, não tem um espaço temporal estabelecido ou uma idade específica definida, encontrando-se algures entre o início da puberdade e o início da fase adulta e variando por isso de indivíduo para indivíduo.
A catequese surge assim como uma forma de ir ao encontro dos adolescentes, dos seus problemas e vivências. Leva-os a comprometerem-se e a iniciarem uma fé adulta. Mais do que isso, a meta principal da catequese é formar um cristão adulto.
Refletiu depois sobre o perfil do catequista, Cristão Adulto em missão que acredita, celebra, vive e reza em Igreja. Abordou ainda algumas estratégias / fatores de qualidade da catequese de adolescentes:
1. Grupo e suas interações. A necessidade de transformar um amontoado de pessoas num grupo com um objetivo comum e com interações ricas e frequentes.
2. Orientado por um adulto. A capacidade de suportar as dificuldades lançadas pelos adolescentes e de saber separar os seus problemas dos problemas deles, dando o seu próprio testemunho como modelo viável da Fé.
3. Com as famílias possíveis. Ter a capacidade de não excluir ninguém e de saber aceitar o outro independentemente das suas origens ou estado social, sabendo envolver os motivados e os desmotivados.
4. Comunidade acolhedora. O alerta para a importância da nossa comunidade como motivo de aproximação ou afastamento dos adolescentes.
5. Conteúdos e vida. Conseguir dar sentido às diversas situações do dia-a-dia através dos ensinamentos da Bíblia.
D. António Moiteiro esteve no encontro e dirigiu breves palavras aos catequistas, realçando que a catequese visa “pôr em comunhão com Jesus”, levando os catequizandos ao encontro pessoal com Cristo.
O P.e Rui Alberto, por sua vez, centrou a intervenção da tarde no tema “O grupo como experiência de Igreja”, tendo desenvolvido com os participantes algumas dinâmicas de grupo para os diferentes momentos do ato catequético, que intitulou de “boas práticas”.

M.P. e S.L.