“Deus os criou Homem e Mulher” (Gn 1,27)

Sessão com o P.e Vasco Pinto Magalhães

 

Notas da formação do Clero da Diocese de Aveiro, que decorreu ao longo de três dias (31 de janeiro, 1 e 2 de fevereiro), na Casa Diocesana em Albergaria-a-Velha.
No primeiro dia do encontro, o P.e Vasco Pinto Magalhães, S.J., ofereceu um caminho de reflexão antropológica partindo da referência bíblica “Criados à imagem e semelhança de Deus”, chegando a algumas questões básicas de Antropologia. De facto, a Antropologia Cristã parte dos «Fins» (Escatologia), onde se revela o que seremos. Deus cria a humanidade para ser Sua imagem e semelhança. Não se trata de ser “imagem” estática, mas sim imagem dinâmica de Deus, e porque o Homem é criado pelo Amor, ele não se fecha em si mesmo mas abre-se à relação, pois não pode negar a sua transcendência. Na segunda parte deste mesmo dia, o Dr. Pedro Vaz Patto, Juiz, apresentou uma análise sociológica e legal das questões atuais, entre elas a ideologia de género, o conceito de família, a maternidade de substituição, a adoção e coadoção, etc.
No segundo dia de formação, o padre Jorge Cunha, diretor da Faculdade de Teologia do Porto, abordou “o início e o fim da vida: concepção; fecundação medicamente assistida…”. Neste âmbito, debruçou-se sobre alguns temas: a ambiguidade da vida, a relação entre a vida e o vivente, a vida do embrião, o aborto, a procriação com ajuda médica, a ortotanásia, a eutanásia e a distanásia, sublinhando que a eutanásia é imoral, mesmo que venha a ser permitida por lei.
O tema da eutanásia continuou a ser abordado na tarde deste segundo dia, onde o Prof. Luís Silva procurou responder à questão “Porque é que legalizar a eutanásia é um erro?”. A encerrar os trabalhos deste dia teve lugar no Seminário de Aveiro, e aberto à comunidade em geral, uma conferência pela Dra. Isabel Galriça Neto: “Eutanásia: o não direito à vida”.
No terceiro e último dia, procurou-se elaborar uma “leitura pastoral da Exortação Apostólica “A alegria do Amor” (“Amoris laetitia”) com o P.e Querubim José, da Diocese de Aveiro, seguida da apresentação de uma proposta para acompanhamento das famílias da diocese, pelo P.e Joaquim Rocha, o qual nos recordou da exigência acrescida na ajuda ao discernimento das pessoas, assim como a respetiva integração.
As jornadas de formação do Clero de Aveiro culminaram com a celebração da Eucaristia, no dia 2, presidida pelo bispo diocesano, D. António Moiteiro, onde todos foram convidados a recordar a sua apresentação ao Senhor pela ordenação diaconal e presbiteral.