Viver alegres na esperança

Os textos bíblicos deste terceiro Domingo do Advento garantem-nos que Deus tem um projeto de salvação e de vida plena para nós, fazendo-nos passar das trevas à luz.

Na primeira leitura, um profeta ungido pelo Espírito anuncia um tempo novo, de vida plena e de felicidade sem fim, um tempo de salvação que Deus vai oferecer aos pobres.

Na segunda leitura, Paulo diz-nos que atitude é preciso assumir enquanto se espera o Senhor que vem. O convite é bem concreto para todos nós: vivei sempre alegres, orai sem cessar, dai graças em todas as circunstâncias, não apagueis o Espírito, não desprezeis os dons proféticos, conservai tudo o que for bom, afastai-vos de toda a espécie de mal, acolhei o Deus da paz que vos santifica totalmente. Um programa de vida bem intenso.

O Evangelho apresenta-nos João Baptista, a voz que prepara os homens para acolher Jesus, a luz do mundo. Que significa isso para nós?

Implica abandonar a mentira, os comportamentos egoístas, as atitudes injustas, os gestos de violência, os preconceitos, a instalação, o comodismo, a autossuficiência, tudo o que desfeia a nossa vida, nos torna escravos e nos impede de chegar à verdadeira felicidade.

Implica olhar para Jesus, pois só Ele é a luz e só Ele tem uma proposta de vida verdadeira para nos apresentar. À nossa volta abundam propostas de felicidade que nos seduzem, manipulam e nos deixam infelizes. Só Jesus é a luz que nos pode libertar da escravidão e das trevas e nos oferecer a vida verdadeira e definitiva.

Implica pensarmos sobre a forma de Deus atuar na história humana e sobre as responsabilidades que Deus nos atribui na recriação do mundo. Deus não utiliza métodos espetaculares e assombrosos para intervir na nossa história e para recriar o mundo. Ele vem ao nosso encontro para nos envolver no seu amor através de pessoas concretas, com um nome e uma história, pessoas normais a quem Deus chama e a quem confia determinada missão. A todos nós, seus filhos, Deus confia uma missão no mundo: dar testemunho da luz e tornar presente, para os nossos irmãos, a proposta libertadora de Jesus.

Levemos a Palavra para o coração do nosso quotidiano, em esperança e alegria. O nosso olhar sobre os outros e sobre o mundo deve continuar a ser transformado nesta terceira semana de Advento: passar da contestação à bondade, procurar ter uma expressão de sorriso em cada encontro, saudar o outro como um irmão que Deus ama e desejar-lhe todo o bem que Deus quer para ele. A alegria cristã não está ao nível de um otimismo simplista, mas coloca a esperança, possível e credível pela Palavra feita carne, no coração da vida quotidiana.

Manuel Barbosa, scj
www.dehonianos.org