D. ANACLETO OLIVEIRA

D. ANACLETO OLIVEIRA

No dia 18 de setembro o Senhor permitiu levar para a sua glória o Sr. D. Anacleto Oliveira, Bispo de Viana do Castelo.

A ONPC une-se ao grande número de manifestações de pesar e de memória agradecida a este Pastor atento e próximo das suas ovelhas. O Sr. D. Anacleto não faltava nas festas de Natal da comunidade cigana de Darque e preocupava-se junto da Câmara de Viana do Castelo, com as condições de habitação desta comunidade. “Vinde, benditos de meu Pai … pois” não tinha casa onde morar e cuidaste de resolver o problema (Mt 25, 34-40).

LANÇAMENTO DO LIVRO DE MYRNA MONTENEGRO NA FEIRA DO LIVRO

LANÇAMENTO DO LIVRO DE MYRNA MONTENEGRO NA FEIRA DO LIVRO

O livro da Doutora Myrna Montenegro (MM), “Aprender a Ser Cigano Hoje – Empurrando e Puxando Fronteiras” foi lançado na Feira do Livro em 3 de setembro, tal como tínhamos anunciado no nº 96 da Caravana. Abriu a sessão o Presidente da Cáritas Dr. Eugénio Fonseca que lembrou o conhecimento que tinha tido com a autora no Bairro da Bela Vista em Setúbal, quando era Presidente da Cáritas de Setúbal. Em seguida falaram Francisco Monteiro (FM), Diretor Executivo da Obra Nacional da Pastoral dos Ciganos, instituição que promoveu a publicação e Dinis Abreu (DA), membro da Direção da FECALP (Federação Calhim Portuguesa).

FM afirmou que o livro, mais do que a tese de doutoramento da drª Myrna Montenegro, é a síntese da sua vida. E acrescentou: “e não foi uma vida qualquer, a da drª Myrna. Foi uma vida que se pôs à escuta, que dialogou, com pessoas, com crianças, com famílias.

 

Continuar...

O SECRETARIADO DIOCESANO DE LISBOA DA PASTORAL DOS CIGANOS (SDL) NA PANDEMIA DO COVID 19

O SECRETARIADO DIOCESANO DE LISBOA DA PASTORAL DOS CIGANOS (SDL) NA PANDEMIA DO COVID 19

O SDL publica trimestralmente os Jornais dos seus sete Centros Comunitários. Todos os Jornais do 3º trimestre abriram com esta nota da Presidente do SDL, sobre o trabalho dos Centros em ambiente de pandemia:.

EDITORIAL

Embora habitualmente esta rúbrica seja da responsabilidade de cada equipa, faço questão de a assumir neste número, publicando-a nos Jornais de cada valência.

Vem esta decisão a propósito dos meses conturbados que vivemos, mercê da pandemia que nos vem ameaçando. De facto, estávamos a terminar o segundo período de actividades quando tudo começou. Se, já com breves apontamentos da doença, o trabalho desenvolvido o foi em condições normais, o mesmo se não pode dizer do tempo posterior à Páscoa. E, no entanto, estamos aqui porque houve muito trabalho feito! É dele que vos quero dar conta.

 

Continuar...

MONITORIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS NACIONAIS PARA A INTEGRAÇÃO DAS COMUNIDADES CIGANAS (ENICCs)

MONITORIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL SOBRE A IMPLEMENTAÇÃO DAS ESTRATÉGIAS NACIONAIS PARA A INTEGRAÇÃO DAS COMUNIDADES CIGANAS (ENICCs)

Em 14 de agosto foi divulgado o Relatório final do Roma Civil Monitor (RCM), projeto da Comissão Europeia, levado a cabo pela CEU (Central European University) de Budapeste, com a participação de diversas estruturas ciganas europeias, entre as quais a Fundación Secretariado Gitano de Espanha e, em Portugal da EAPN (Rede Europeia Anti-Pobreza) Portugal, da Associação Letras Nómadas e da ONPC (ver Caravanas nºs 86, 95 e 96). Nas conclusões aponta-se para a necessidade de “definir medidas e programas que fomentem uma inclusão efetiva” das comunidades ciganas. Entre os capítulos que merecem destaque estão o anticiganismo e a discriminação.

 

Continuar...

PODEROSOS PLANOS E POLÍTICAS, MAS IMPLEMENTAÇÃO FRACA E RESULTADOS LIMITADOS

PODEROSOS PLANOS E POLÍTICAS, MAS IMPLEMENTAÇÃO FRACA E RESULTADOS LIMITADOS

Assim define o Relatório de 2020 da FRA (Agência Europeia para os Direitos Fundamentais) a situação da “Igualdade e Inclusão dos Ciganos”

A FRA publicou em 11 de junho o seu Relatório anual que, no que se refere aos ciganos, teve repercussão na comunicação social portuguesa (ver Caravana nº 96). O Relatório da FRA (RF) começa por lembrar que “em 2019 se cumpriram dez anos sobre a adoção pelo Conselho da UE das Conclusões sobre a inclusão dos Ciganos, preparadas na primeira reunião da Plataforma da UE para a Inclusão dos Ciganos. O documento continha 10 princípios básicos comuns para a inclusão dos ciganos. O Princípio 4 apela para políticas de inclusão de todos os ciganos que ‘insiram os ciganos no contexto dominante da sociedade (instituições educativas dominantes, empregos dominantes e habitação dominante)’ e ultrapassem ‘educação ou habitação parcial ou inteiramente segregadas’ onde elas ainda existirem. Mas dez anos de esforços aos níveis da UE, internacional, nacional e local, parece que resultaram em poucas mudanças tangíveis, tal como é evidenciado nos inquéritos e relatórios da FRA e no Relatório da Comissão Europeia de 2019 sobre a implementação das estratégias nacionais para a integração dos ciganos. Muitos ciganos continuam a viver vidas segregadas. Eles enfrentam hostilidade por parte de vizinhos não-ciganos e desconfiam das políticas locais e nacionais que não conseguem dar passos efetivos para enfrentar o anticiganismo.”

 

Continuar...