Comissão Nacional Justiça e Paz

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Outras Notícias

Campanha por Cabo Delgado - Videos

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Cabo Delgado não pode esperar. Ajuda Humanitária já!

 #CaboDelgadoNãoNosConformamos

Video CNJP


Video FEC 

 

Cabo Delgado: Não nos Conformamos com a Violência - Nota de Imprensa

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Cabo Delgado: Não nos Conformamos com a Violência

Mais de 30 organizações da sociedade civil portuguesa apelam ao envio urgente de ajuda humanitária para Cabo Delgado, Moçambique.

A população de Cabo Delgado, em Moçambique, está a viver, desde há quatro anos, violentos ataques, que já fizeram mais de 700.000 deslocados internos, numa catástrofe humanitária sem precedentes na região.

A situação é grave e urgente. Exige o envio de ajuda humanitária de imediato. Mais de 30 organizações da sociedade civil portuguesa, que trabalham em defesa da paz e dos direitos humanos através da ajuda humanitária e de emergência e da educação e cooperação para o desenvolvimento, apelam ao Governo Português, à União Europeia e às Nações Unidas que mobilizem todos os esforços para enviar com urgência ajuda humanitária para a região de Cabo Delgado.

Numa ação conjunta nas redes sociais, as organizações portuguesas exigem o cessar da violência, o respeito pelos Direitos Humanos e o desenvolvimento sustentado e reafirmam que não se conformam com a violência, com a injustiça e com o desrespeito pela dignidade humana. A partir de 4 abril, todos os domingos, pelas 15h00, as organizações da sociedade civil dão voz à catástrofe em Cabo Delgado.

 

Amnistia Internacional
AMU - Ações para um Mundo Unido
APOIAR, ONGD
Associação Karingana Wa Karingana
Associação Portuguesa de Solidariedade Mundo Unido João Paulo II
AVOAR
Caritas Portuguesa
Centro Missionário Arquidiocesano de Braga
CIDAC
Comissão Nacional Justiça e Paz
Conferência Episcopal Portuguesa
Fundação Ajuda à Igreja que Sofre
Fundação Champagnat
Fundação Fé e Cooperação
Fundação Gonçalo da Silveira
Grupo Missão Mundo
Instituto Marquês de Valle Flôr
JRS Portugal – Serviço Jesuíta aos Refugiados
Juventude Mariana Vicentina Portugal
Missões Carmelitas
O Grão
OMAS – Leigos Boa Nova
PAR – Plataforma de Apoio aos Refugiados
PROCURA - Missões Claretianas
Província Nossa Senhora do Rosário da Congregação das Irmãs Dominicanas de Santa Catarina de Sena
Província Portuguesa da Congregação do Espírito Santo
Província Portuguesa da Congregação das Irmãs Hospitaleiras do Sagrado Coração de Jesus
Província Portuguesa da Congregação da Missão (Padres Vicentinos)
Província Portuguesa da Companhia de Jesus
Rosto Solidário
Sol sem Fronteiras – Associação de Solidariedade Jovem Sem Fronteiras
União das Misericórdias Portuguesas
União Missionária Franciscana
VIDA

 

 

Cabo Delgado: não nos conformamos com a violência

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Cabo Delgado VF

A Comissão Nacional Justiça e Paz subscreveu o apelo feito por organizações da sociedade civil aos órgãos de soberania e, em particular, ao Governo Português, na pessoa do Ministro dos Negócios Estrangeiros, para que, no âmbito da Presidência Portuguesa do Conselho da União Europeia, coloque definitivamente na agenda a crise humanitária de Cabo Delgado, e que tal resulte numa urgente e efetiva resposta de emergência à crise humanitária vivida na região. 

Comunicado:
Cabo Delgado: não nos conformamos com a violência

 

Semana Laudato si' 2010

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

                                                              laudato si 2020

 

 

 

 

 

 

Na semana em que se celebra o 5º aniversário da publicação da carta encíclica Laudato Si’, a Universidade Católica Portuguesa (UCP), juntamente com a Conferência Episcopal Portuguesa, a Cáritas, a Rede Cuidar da Casa Comum, a Comissão Nacional Justiça e Paz, entre outras, assinala esta semana promovendo uma sessão virtual na próxima sexta-feira dia 22 de maio, às 12:00, com o tema “Tudo Está Interligado”.

A sessão contará com a presença do Vice-Reitor da UCP Prof. José Manuel Pereira de Almeida, da Profª Inês Espada Vieira docente da Faculdade de Ciências Humanas, do Dr. Juan Ambrosio, docente da Faculdade de Teologia que conversarão sobre a Laudato Si’ e a sua atualidade com dois jovens colaboradores da UCP, e participantes no Encontro Economia de Francisco, em novembro próximo, Filipa Pires de Almeida do Center for Responsible Business da Católica-Lisbon School of Business & Economics, e Eduardo Lopes da Unidade de Desenvolvimento Integral da Pessoa (Centro Regional do Porto).

Inscrições para esta sessão disponíveis aqui.

No site da UCP, diariamente, serão publicadas às 12:00 citações da carta encíclica desafiando a comunidade a refletir sobre o cuidar da casa comum.

Para assinalar o fim da semana, no dia 24 de maio, às 12:00 o Papa convida todo o mundo para um momento de oração (onde estivermos), através da Oração Comum Laudato Si’.

 

Presidente da República condecorou Manuela Silva, a título póstumo

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Antiga presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz distinguida com a grã-cruz da Ordem da Instrução Pública

manuela silva  - HMENAGEM PÓSTUMA

Lisboa, 07 mar 2020 (Ecclesia) – O Presidente da República Portuguesa distinguiu hoje, a título póstumo, a economista e professora universitária Manuela Silva, antiga presidente da Comissão Nacional Justiça e Paz.

Marcelo Rebelo de Sousa entregou aos familiares de Manuela Silva a grã-cruz da Ordem da Instrução Pública, como homenagem simbólica a uma “grande professora nas ideias e nos atos”.

O gesto decorreu no final de uma sessão evocativa que decorreu em Lisboa, por iniciativa do Instituto Superior de Economia e Gestão (ISEG) e do Grupo Economia e Sociedade.

A Ordem da Instrução Pública destina-se a galardoar altos serviços prestados à causa da educação e do ensino.

O presidente da República falou de “uma mestra” que deu o rumo para “uma sociedade mais humana” e para um “Portugal bem melhor”.

Nascida a 26 de junho de 1932, em Cascais, Manuela Silva licenciou-se e foi professora catedrática convidada no Instituto Superior de Economia e Gestão; foi secretária de Estado para o Planeamento no I Governo Constitucional (1976-77); faleceu a 8 de outubro de 2019, aos 87 anos de idade.

Marcelo Rebelo de Sousa evocou uma figura “inesquecível”, elogiando o seu empenho cívico e capacidade de “rutura” relativamente à visão da Economia e à encarnação na sociedade

“Manuel Silva nunca navegou à vista da costa”, assinalou, no seu discurso.

O chefe de Estado destacou o trabalho da homenageada pela “igualdade de género, o papel da mulher” e “o desafio da coesão social”, no combate à pobreza e às assimetrias.

Falando de uma “excecional economista e militante social e política”, Rebelo de Sousa saudou ainda a “mulher de fé”, de luta contra a iniquidade e a injustiça, de promoção da paz, da fraternidade, “da dignidade da pessoa e das pessoas”

Durante o encontro foram ser ouvidos testemunhos de personalidades que conviveram com Manuela Silva, como Guilherme d’Oliveira Martins, Rosário Carneiro, José Leitão, João Cravinho ou Viriato Soromenho Marques.

Manuela Silva foi professora catedrática convidada do ISEG, tendo recebido em 2013 doutoramento ‘honoris causa’ pela Universidade Técnica de Lisboa.