Bispo de Aveiro encerra visita pastoral a Ílhavo pedindo comunidades mais vivas

D. António Moiteiro: “É necessário assumir a assiduidade à Eucaristia dominical”

Corpo de Deus. D. António Moiteiro insiste no anúncio e testemunho de Cristo, nas comunidades vivas e na formação cristã.

 

O Bispo de Aveiro apontou ao arciprestado de Ílhavo “três desafios cuja resposta pode indicar o caminho para os próximos anos”. Na homilia da solenidade do Corpo e Sangue de Cristo, 15 de junho, celebrada no centro de Ílhavo para encerrar a visita pastoral que decorreu nas seis paróquias entre janeiro e março de 2017, D. António Moiteiro lançou uma questão e adiantou “três desafios” como resposta.
A questão: “Que desafios devemos assumir para que a renovação pedida pelo Concílio Vaticano II e os últimos documentos do Papa Francisco seja uma realidade nas paróquias, nos movimentos de leigos, na vida dos sacerdotes e diáconos?”
Os desafios: Primeiro, “Ser testemunhas de Cristo ressuscitado”, porque este anúncio “deve ocupar o centro da atividade evangelizadora e de toda a tentativa de renovação eclesial”. Segundo, formar “comunidades cristãs vivas e fraternas”, que “sejam autênticas escolas de vivência da fé e da comunhão, gerando entre todos os seus membros laços de fidelidade, de proximidade e de confiança, que se traduzam no serviço humilde da caridade fraterna”. Para que estas comunidades sejam reais, é necessário assumir a “assiduidade à Eucaristia dominical” e praticar a oração. As comunidades que rezam “são berço de novas vocações à vida matrimonial, à vida sacerdotal e de consagração”, disse o pastor. Terceiro, a formação cristã. “Em todas as eucaristias de encerramento da respetiva visita pastoral às várias paróquias do arciprestado referi a necessidade de uma formação cristã mais profunda, de modo que cada um de nós saiba dar as razões da sua fé. Pedi mesmo a criação de uma Escola de Teologia para Leigos no arciprestado de Ílhavo, onde se possa pensar a fé, conhecer os fundamentos do cristianismo, tendo como base a Sagrada escritura e, de um modo particular, o Evangelho. Sem uma paixão pela Palavra de Deus – a pessoa de Jesus – não teremos o fogo necessário para sermos evangelizadores. E isto nasce da formação cristã”, lembrou D. António Moiteiro.
A celebração decorreu no Jardim Henriqueta Maia, seguindo-se a procissão eucarística pelas ruas da cidade. Integraram a procissão, em especial, as crianças que fizeram a Primeira Comunhão no arciprestado de Ílhavo. Momentos antes da procissão, D. António Moiteiro dialogou com as crianças para lhes dizer que “o amigo Jesus está no Pão e no Vinho”, pelo que é importante participar na Missa e “comungar uma vez, duas vezes, mil vezes, mil e uma vezes”.