Democracia, caminho difícil e penoso, mas necessário

Ao terminar a presente campanha eleitoral, muita gente sente um justificado desconforto pela maneira como tudo decorreu. Tratava-se de eleger o próximo Presidente da República. Abundaram preconceitos, contradições flagrantes, ressentimentos e ódios antigos, ajustes de contas, juízos de intenções, expressões ofensivas, desconsiderações contínuas, opções à revelia do interesse da nação, mau testemunho por parte de gente que se candidata ao lugar cimeiro da nação, fuga para problemas secundários.

Foi uma campanha com sentenças antecipadas desde o primeiro dia, com denegação de direitos pessoais, próprios de todos por igual, com a costumada e eterna diabolização entre direita e esquerda, própria de quem tem poucas ideias e muitas emoções e interesses, pessoais ou de grupo.

Vieram explicações para atitudes que a gente sensata viu, não gostou e até condenou, e por aí se disse que ser contundente é diferente de ser irrespeitoso e mal educado, quando o que ficou à vista de todos foi precisamente o contrário. Não se pode querer ganhar a qualquer preço. E não poucos jornalistas de opinião e servos da corte, em vez da coragem de dizer “assim não”, acolitaram de bom grado os reis nus.

Democracia não é orgulho, nem irreverência, nem intoxicação do povo, nem menosprezo de quem quer que seja, nem cegueira por um projecto pessoal que impede ver o que de bom há nos outros.

Numa ida recente a Itália, trouxe comigo um livro “Dizionario della Democrazia”, que acabava de ser publicado e cujo autor é Carlos Azeglio Ciampi, actual Presidente da República daquele país. A obra recolhe, criteriosamente, intervenções e escritos do Presidente, uma autêntica magistratura de formação e informação dos cidadãos, como contributo para uma acção esclarecida nos diversos campos em que a participação democrática é fundamental, para que o bem de todos seja preocupação e esforço de todos. Não resisto a uma breve citação, que pode lançar alguma luz sobre o que de pouco democrático presenciamos na recente campanha: “ Os ideais de liberdade e de democracia, ancorados na matriz humanista e cristã da civilização europeia, inspiração para gerações de pensadores italianos e alemães, sobreviveram ao desígnio do poder que humilhava a civilização ocidental. São ideais que permanecem referências constantes; guiaram na rebelião contra os horrores dos totalitarismos e dos nacionalismos, na reconquista da liberdade, da democracia, da paz, da dignidade humana.” (Julho de 2003)

Vou-me convencendo de que a “cultura” que, lamentavelmente, não respeita as pessoas e os princípios de convivência sadia, pode coexistir com grandes bibliotecas pessoais, discursos inflamados sobre direitos humanos e visões do mundo, conhecimentos e amizades que enriquecem o palmarés de quem é ou se julga socialmente notável.

Proclamações públicas de democracia não dispensam testemunhos de vida democrática que toda a gente possa entender, de modo a sentir-se motivado a andar por igual caminho. O contrário de tudo isto, é provocar o retrocesso social que garante apenas a alguns, no presente e no futuro, um lugar ao sol.