Pessoa e comunidade, horizonte permanente da igreja

Sempre me fez impressão ao ouvir os avisos da semana, no princípio ou fim das eucaristias dominicais, como tudo se reduz, normalmente, às missas e às muitas reuniões das diversas actividades pastorais. Quem tal ouvir pensará que a Igreja tem apenas preocupação com as coisas do culto e as actividades de cariz religiosa.

De facto, não se deveria nunca esquecer que os leigos são cristãos no mundo e é aí que realizam a sua vocação de ser luz e fermento do Evangelho na sua vida familiar, profissional, social e política. A vida de um cristão não se esgota no interior do templo, mas processa-se em mil lugares e ocasiões que significam apelo a uma vivência da fé, de testemunho e de compromisso de acção.

A Igreja será sempre um espaço e um lugar a apontar o horizonte inesgotável da vida concreta. A sua luz vem-lhe do Deus em que acredita, que outra coisa não quer dela senão que seja servidora permanente das pessoas e das comunidades. Isso faz-se de muitas maneiras, também nas actividades do templo pela pregação, pela catequese das diversas idades, pelas próprias celebrações que despertam para a partilha solidária. Porém, torna-se cada vez mais necessário que as paróquias e os movimentos laicais se preocupem em programar actividades que ajudem a responder às questões que hoje se põem às pessoas no mundo complexo em que vivem. Questões da vida, da família, da educação e da cultura, da justiça no trabalho, dos direitos e deveres que flúem da condição de cidadãos, da necessidade de diálogo com gente que pensa de modo diferente, têm de ser cada vez mais questões do dia a dia de uma comunidade cristã.

Actividades que ajudem a ler a vida, a abrir-se aos problemas e a dialogar sobre eles, a colaborar, seja com quem for, para que se encontrem as soluções possíveis para os problemas que, no dia a dia, constituem para muita gente um peso difícil de suportar e de levar, devem fazer parte da vida de uma paróquia, viva, atenta e servidora.

Os problemas sociais, dos profissionais aos políticos, requerem a participação, dada de modo diferente, mas que pode ser sempre complementar, quer dos cristãos mais conscientes, quer dos outros cidadãos que não são ou já se não dizem cristãos. Cada um deve formar-se para traduzir a sua opinião e a sua participação, segundo os princípios que informam a sua vida e procuram o bem de todos. A diversidade justificada e qualificada é sempre uma riqueza.

A doutrina social da Igreja constitui um enriquecimento iluminador da acção dos cristãos na sociedade. Está acessível, de muitos modos, e torna-se urgente encaminhar para onde se ensina ou promover iniciativas no mesmo sentido.

O ano pastoral que começa convida-nos a ser cada vez mais um Igreja que serve as pessoas e a sociedade, esforçada por compreender a realidade e os problemas, empenhada em encontrar respostas válidas e em promover colaboração. Ser cristão e ser Igreja no mundo não tem um recorte meramente religioso, mas sim humano e social, que o Evangelho ilumina e a que dá sentido de empenhamento iniludível.

Deus não faz história de salvação, nem à margem, nem paralela à história das pessoas e das comunidades. Entra nela, adapta-se ao ritmo dos seus protagonistas, abre-se às situações novas que vão surgindo, alarga o leque dos colaboradores, põe no caminho servidores preparados e incondicionais, não marca prazos, mas também não aceita senão as delongas inevitáveis. A sua pedagogia deve ser a da Igreja, pois a história é a mesma.

“A Igreja no mundo contemporâneo”, que traduz o título “alegria e esperança” de uma constituição conciliar, designa um estilo novo de ser Igreja no mundo, porta sempre aberta à compreensão, à responsabilidade, ao desafio à construção de um mundo mais humano e mais fraterno, porque só esse corresponde ao projecto do Criador.