CARAVANA 93 - EDITORIAL

CARAVANA 93 - EDITORIAL

O PAPA FRANCISCO E A ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA

No mundo, particularmente na Europa e notavelmente em Itália, sopram ventos de populismos anticristãos porque autocentrados para excluir quem é outro e ainda mais  quem é diferente, e de nacionalismos que replicam outros nacionalismos que aliás lhes servem de bandeira e que destruíram a Europa há oitenta anos. Mas a memória dos homens é curta e o coração humano deixa facilmente que as trevas o dominem e impeçam que a luz de Cristo e do amor o ilumine e o abra ao amor do próximo como Cristo nos ensinou. E Ele não nos ensinou a fazer um sinal mal feito na testa, enquanto olha enganadoramente para o céu, como ainda há muito pouco tempo Salvini em Itália tentou iludir a quem ele se exibia, ao mesmo tempo que escorraçava imigrantes e ciganos.

 

O Papa Francisco não se podia calar; afinal o Papa é o Bispo de Roma. E reagiu contra o anticiganismo, convocando 500 ciganos italianos como se noticia nesta página. E não se contentou com isso: logo a seguir, na Roménia, "em nome da Igreja", pediu desculpa às comunidades ciganas por toda a discriminação que os ciganos sofreram o longo da história (ver pág. 2 deste número). E no próximo ano vai receber os representantes das pastorais dos ciganos de toda a Europa. O Papa e com ele a Igreja está com os ciganos, como lhes afirmou Paulo VI em Pomezia em 1965.

Já depois do fecho deste número da Caravana, em 9 de julho, a Assembleia da República, através da Subcomissão para a Igualdade e Não Discriminação da Comissão de Assuntos Constitucionais, Direitos, Liberdades e Garantias, organizou uma conferência para apresentar a versão preliminar do Relatório Parlamentar sobre o Racismo, Xenofobia e Discriminação Étnico-racial em Portugal, a cujo conteúdo voltaremos no próximo número. Fruto de um notável trabalho que incluiu visitas às barracas de ciganos em Bragança, entre outras iniciativas, o Relatório irá certamente constituir um marco para a ação executiva, o qual se espera possa originar ações concretas com resultados definidos e passíveis de serem monitorizados, no sentido de se reduzirem as gritantes desigualdades étnico-culturais no nosso país.

 

Francisco Monteiro