Destaque

Mensagem para o dia da Memória do Beato Zeferino Giménez

Vaticano, 2 de agosto de 2021

Mensagem para o dia da Memória do Beato Zeferino Giménez

Como é bem conhecido, a Igreja celebra hoje a memória do Beato Zeferino Giménez Malla, o cigano que foi fuzilado em Barbastro em 1936 por tentar salvar um sacerdote. Na vida de Pelé, como é popularmente conhecido pelos ciganos, encontram-se refletidos os valores centrais da vida cristã. Era conhecido pela sua vida de oração, pela sua caridade constante; tinha também um dom natural para aconselhar. Como disse S. João Paulo II na sua beatificação, no dia 4 de maio de 1997, “foi, acima de tudo, um homem de profundas convicções religiosas” (cf. Homilia de S. João Paulo II na cerimónia solene da beatificação de Ceferino Giménez e companheiros mártires em 4 de maio de 1997, 4).

Certamente que frequentar os sacramentos e a sua devoção mariana foram a base de tal atitude vital. Mas também o foi o preservar os valores tradicionais da cultura cigana, como a promoção da vida, a centralidade da família, o sentido religioso da vida, o acolhimento incondicional, a conceção humana do trabalho e a alegria de viver. No entanto, este ano quero frisar dois aspetos essenciais da vida do Beato Zeferino Giménez.

“Pelé” exercia o seu ofício de comerciante de animais, com um respeito exemplar pelos animais, semelhante ao de S. Francisco de Assis, a quem seguia como Terceiro Franciscano, como se “tivesse entrado em comunicação com tudo o que foi criado” (Cf. Encíclica Laudato si’, 2015, 11), ensinando aos jovens ciganos a conhecer esses animais (Cf. Encíclica Laudato si’, 2015, 33). No entanto, não era daquelas pessoas que se regia pela “incoerência de quem luta contra o tráfico de animais (…) mas que se desinteressa dos pobres” (Cf.  Encíclica Laudato si’, 2015, 91).

 

Continuar...

CARTA ABERTA SOBRE A HABITAÇÃO DAS PESSOAS CIGANAS

CARTA ABERTA SOBRE A HABITAÇÃO DAS PESSOAS CIGANAS

Por iniciativa da Associação Habita, um extenso grupo de Associações ciganas e outras individualidades e instituições ciganas ou não, redigiram a seguinte Carta Aberta que foi publicada no dia 25 de abril no Público e enviada a membros do Governo e a outras entidades nacionais e estrangeiras.

Exigimos o Direito à Habitação Digna das Pessoas Ciganas/Rroma em Portugal: Reparação, já!


Após 46 anos das promessas de Abril - igualdade, liberdade e direitos constitucionais para todas as pessoas - sabemos que muitas ficaram por cumprir. No entanto, ressaltamos que a desigualdade no acesso à saúde, educação, trabalho e habitação de qualidade por parte das comunidades Ciganas/Rroma é particularmente gritante na democracia portuguesa.

 

Há demasiado tempo que se sabe da precariedade habitacional que as pessoas Ciganas/Rroma enfrentam nas mais diversas latitudes do país. Muitas vivem em barracas de madeira e lona ou em casas autoconstruídas sem acesso a água, luz, saneamento básico ou recolha de lixo; outras vivem em habitação pública, tantas vezes em sobrelotação e segregadas do restante tecido urbano.

 

Continuar...

IGUALDADE, INCLUSÃO E PARTICIPAÇÃO DOS CIGANOS NA UE, CONFERÊNCIA PROMOVIDA PELA PRESIDÊNCIA PORTUGUESA DA UE

IGUALDADE, INCLUSÃO E PARTICIPAÇÃO DOS CIGANOS NA UE, CONFERÊNCIA PROMOVIDA PELA PRESIDÊNCIA PORTUGUESA DA UE

A Presidência Portuguesa do Conselho da UE, promoveu em 15 de abril, uma conferência online, sobre o tema “Trabalhando juntos pelos direitos dos Ciganos”. O objetivo foi desenvolver ações na luta contra o racismo, na promoção dos direitos fundamentais e da redução das desigualdades e no combate a todas as formas de discriminação. Os promotores afirmam que acelerar os esforços para reforçar a igualdade dos ciganos e a sua inclusão e participação na UE é mais crucial que nunca, no cenário de desafios crescentes no contexto da pandemia do Covid-19 e de incidentes de anticiganismo e de discurso de ódio. Concretamente, pretendeu-se analisar o contributo da Recomendação do Conselho sobre a igualdade, a inclusão e a participação dos Ciganos para o aprofundamento do compromisso da UE no aumento da promoção dos direitos dos ciganos.

 

Continuar...

QUADRO ESTRATÉGICO DA UE PARA OS CIGANOS 2020-2030

QUADRO ESTRATÉGICO DA UE PARA OS CIGANOS 2020-2030

Em 17 de junho, a Plataforma da FRA (Agência Europeia para os Direitos Fundamentais), à qual a ONPC pertence, promoveu uma reunião temática online das organizações ciganas da sociedade civil sobre o papel que lhes é atribuído no novo Quadro estratégico da UE para a igualdade, a inclusão e a participação dos Ciganos 2020-2030, no âmbito do qual os Estados Membros (EMs) devem submeter as respetivas estratégias nacionais ao Conselho da UE até ao próximo mês de setembro. Na Recomendação do Conselho relativamente às estratégias indicadas, no que se refere a mobilizar as partes interessadas locais e regionais e à cooperação com a sociedade civil, são formuladas 12 recomendações que, segundo o Conselho Europeu, os EMs devem promover. Sobre esse aspeto, a ONPC fez uma intervenção que posteriormente desenvolveu no seguinte texto que foi enviado à FRA que por sua vez o reenviou à Comissão Europeia.

 

Continuar...

POR UMA CIDADANIA PLENA

POR UMA CIDADANIA PLENA

Nota da Comissão Nacional Justiça e Paz sobre os cidadãos portugueses ciganos

Em Portugal, vivem cidadãos portugueses que, por partilharem uma origem e cultura comuns, são reconhecidos como ciganos. Este traço identitário é mais um dos sinais da magnífica diversidade que caracteriza a nossa sociedade, não podendo ser nunca pretexto para apontar alguns grupos como menores ou adjacentes. A Comissão Nacional Justiça e Paz considera que frequentes afirmações públicas acerca destes cidadãos são injustas e incorretas, revelam desconhecimento, evidenciam preconceitos, são profundamente discriminatórias.

Chegaram a Portugal há cerca de 500 anos, aqui se instalaram, constituíram as suas famílias, e participaram na nossa construção e desenvolvimento comuns, como outros grupos o fizeram. Presume-se que representem cerca de 0,5% da população portuguesa. Sabe-se que um número significativo, aproximadamente meta- de, permanece numa situação de pobreza extrema e exclusão.

 

Continuar...

Mais artigos...