“Todos os dias peço a Deus uma casinha”, confessa Cláudia, 50 anos

Público (8 Abr)
Nómadas: uns querem casa, outros já a tiveram
“Todos os dias peço a Deus uma casinha”, confessa Cláudia, 50 anos
Em Portugal existem cerca de 4200 ciganos itinerantes. A pobreza é extrema: não têm RSI nem as crianças vão à escola.
A matriarca Cláudia da Conceição Silva, viúva, está agora em Porto Alto, mas quer uma casa em Évora onde viveu toda a vida numa casa de madeira que a Câmara derrubou. Agora, sempre que regressa a Évora a GNR expulsa-a, o que acontece em qualquer lado onde estão muito tempo. Cláudia diz que os guardas lhes batem, cortam as lonas com que fazem acampamento e que “já me ficaram com uma das carroças”.
O artigo narra ainda a vida da família de Lola Monteiro da Silva, que vive na Marinha Grande desde 1984. Já morou numa casa mas as queixas dos vizinhos obrigaram-na a sair.