Bispo de Aveiro cria tribunal que vai recolher testemunhos da santidade de Joana

Após a Missa da Sé, D. António Moiteiro rezou por todos a oração pró-canonização
junto ao túmulo de Santa Joana

Nova fase diocesana do processo de canonização começará no dia 25 de junho
com a tomada de posse do Tribunal Diocesano.

 

D. António Moiteiro anunciou na Missa da padroeira que em breve será dado um novo passo para a canonização de Joana de Portugal, que em Aveiro pode ser invocada como “Santa Joana”, mas que na realidade apenas foi beatificada (em 1693). “Depois de ter consultado a Congregação das Causas dos Santos, foi-nos comunicado que «importa promover um Processo diocesano para recolher testemunhas e documentos sobre a vida, virtudes e continuação da fama de santidade para se alcançar a desejada Canonização», disse o Bispo de Aveiro na homilia do dia 12 de maio, referindo-se a uma carta de 23 de março de 2017. E acrescentou: “Muito proximamente será comunicada a constituição do tribunal que irá proceder à recolha dos depoimentos das testemunhas; desde já apontamos para que no dia da Igreja Diocesana, em 25 de junho, no Santuário de Schoenstatt, possamos dar início à fase diocesana do Processo de Canonização, com a tomada de posse do Tribunal Diocesano”.
No dia 5 de janeiro de 2015, nos 50 anos de proclamação de Santa Joana como padroeira da cidade e diocese de Aveiro, o pastor diocesano manifestou vontade de reabrir o processo de canonização de Santa Joana por duas razões, como afirmou na homilia do recente feriado municipal: (1) “Centrar toda a nossa pastoral diocesana no desejo ardente de caminharmos numa maior identificação com Cristo vivo e ressuscitado” e (2) o “conhecimento da vida e obra de «Santa» Joana, que continua a falar às nossas paróquias e a cada um de nós, dizendo que a santidade é de todos os tempos e que nós também somos chamados, pelo nosso batismo, a sermos santos”.
Num dia em que a leitura do Evangelho falava de um homem que, sabendo de um terreno que tinha um tesouro, vende tudo para comprar o terreno, D. António Moiteiro sublinhou que “ao longo da história, muitos foram os que deram a sua vida para conseguir este tesouro. «Santa» Joana, a nossa padroeira, é exemplo que fala a cada um de nós para colocarmos no centro da nossa vida cristã a procura e a construção do Reino de Deus”. J.P.F.